Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida.

(Clarice Lispector)
Minha foto
" Pedi minhas contas, viajei e caí no mundão. Vou ver o mundo tendo o mundo como anfitrião. Florestas, rios, cidades e litorais. Pessoas, sentimentos, tradições e rituais.Colocarei meus pés em trilhas, pedras, manguezais. Fazendo o elo entre meus filhos e meus ancestrais. Serei sincero com o meu verdadeiro ser. Quero servir, quero ensinar, eu vim pra aprender. "

Semeiam Comigo *

Músicas

Músicas
Dos sonhos cantados.

Os prazeres singelos são o último refúgio dos homens complicados. (Oscar Wilde)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Poltrona 07


Havia uma criança na poltrona 07. O seu rosto estava grudado na janela, de tão perto que estava podia-se ver a sua respiração embaçando o vidro. A paisagem o deslumbrava de um jeito, que me fez refletir se algum dia eu olhei para uma montanha do modo certo. Seus olhos eram duas caixinhas onde a paisagem guardava toda sua beleza. Seus cabelos brancos me disseram que o tempo com o qual você se encantava com as cores que uma bolha de sabão formava, não é passageiro. Desse tic tac você tem controle e o compasso pode ser marcado pela sua pulsação, já que é esta, o verdadeiro relógio da sua vida.

15 comentários:

Tatiane Lemos disse...

Nosso relógio da vida, que metáfora mais bonita, eu adoro aqui e as coisas que vc escreve*

Lua disse...

selinho pra ti

2beijos;*

Rodolpho Padovani disse...

O relógio da vida não pára né, por isso devemos aproveitar cada minuto que o ponteiro marca =)
Lindo texto...
Bjs...

JOSÉ RAFAEL MONTEIRO PESSOA disse...

Belo texto. Gostei da leveza. Bjs.

Rodolpho Padovani disse...

Selo pra você no meu blog =)
Bjs...

Karol Fiss ツ disse...

Estou maravailhada com teu cantinho!@ Parabéns!

Rebeca Amaral disse...

ah que belo... um sonho lindo! mágico!

beijos, flor.

Maria disse...

eu vou tentar olhar tudo do modo certo. ;)

um beijo

On The Rocks disse...

belo post.

bom fim de semana.

bj

André S. Lima disse...

Me lembrou um pouco a Cecília Meireles, com essa coisa da efemeridade... Além da abundante doçura de sempre!
Beijos, Roberta :*

Lua disse...

Saudade das suas postagens

:*

Winny Trindade disse...

Estou seguindo.

Abraço meu.

Rach disse...

adorei! é fantástico como consegui ver o que escreveste como se fosse um filme...muito bom!

Maryama* disse...

Crianças sempre me fascinam :)

Psiu, sinto a sua falta ♥

j maria castanho disse...

ROMANCE CLANDESTINO


O menino, com sua mão frágil
No papel desenhou a floresta,
Desenhou a cabana,
E num repente ágil
Colocou dentro desta
A mais linda cigana.


Depois pintou um príncipe
Chamado de João,
Que lhe bateu à porta
Pedindo com brandura
Um pouco de água e pão,
E que ao ver a formosura
Se lhe prostra em oração.


« Levanta-te e entra »,
Lhe disse a cigana linda
« Pois te esperava e certa
Estava de ainda chegares
Antes de a tarde finda. »


Brilharam doces seus olhares
Para logo seus brilhos se apagarem.
« Mas senhora!, como poderei
Depois sair sem morrer
De saudade? »


E após se beijarem,
Cigana e filho de rei,
Nela entraram sem querer
Saber da dura verdade.


João ao palácio não quis
Jamais voltar até que seu pai
A todos ordenou encontrá-lo.
A seus exércitos diz:
« Tragam-no vivo e dai
A morte a quem tentou raptá-lo. »


Os soldados cumpridores
Batem montes,
Batem vales e rios,
Perguntam aos pastores,
Perscrutam horizontes
E inquirem doutores.
Sofrem os tempos de calores,
Calores e frios.


E é quando um dia
À volta da floresta se juntam
Como soubessem só poderem estar além
Que um velho guia
Informa os generais do rei
Haver nela dois amantes que andam
Felizes a brincar ao “ pai-e-mãe “
Sem se importarem com a lei.


Então, o menino pára.
“ Desenhar, para quê?... “
Se aqueles que ele tanto amara
Por sabê-los como seu pai e sua mãe,
Tão iguais para quem os vê,
Têm que vir a sofrer também
A imposição da corte e seus porquês
“ Como se foram Pedro e Inês... “


Se... Mas não! Não!!
Ninguém lhe iria levar a melhor!
E num gesto rápido e exigente
Pega na tesoura do papel.
Com ela vai ao desenho saído de sua mão
Com tanto carinho e calor,
E num corte lacrimoso e tremente
Retira à floresta a cabana
Em que estão o príncipe e a cigana
E corre a escondê-la no sótão.


O rei e seus generais
Percorrem a floresta de lés a lés;
Atiçam os cães, erguem os punhais,
Cansam os cavalos, ferem os pés.
Mas de nenhum têm sinal!
Nasce-lhes aos poucos a desilusão.
Corre-lhes a vida mais que mal,
E abrem as bocas de espanto: “ Onde estão!!...
Onde estão?!... “


Depois o menino, suspirou e sorriu.
Feliz, contente com seu feito
Segredou a si, em inocente jeito:
« Pschiu!... Ninguém viu. Ninguém viu!... »